O papel dos pais na educação escolar

O papel dos pais na educação escolar

Você, caro(a) leitor, provavelmente faz parte de uma família.. A unidade familiar, constituída pelos pais e filhos gerados (ou adotivos), além de outros membros parentes, representa uma das instituições mais antigas na formação moral, social e educativa das pessoas. Esse conjunto de responsabilidades variam de graus e de maneiras, a depender da cultura observada, mas o compromisso na formação do ser humano como pessoa – esse é invariável. Pais querem que seus filhos evoluam e agreguem os melhores valores, conceitos – e educação formal. Qual é o pai ou mãe que não desejam isso? Mas a pergunta mais séria é: o que os pais podem fazer, além de meramente desejar? Nesse artigo, vamos falar sobre o papel dos pais na formação dos filhos, sobretudo, na educação escolar.

Antes de tudo, olhemos o contexto.

A tratar do Brasil, precisamos reconhecer que somos oriundos de um povo miscigenado, cujos costumes e cultura variam de um canto a outro do país. Os índices sociais são outros critérios a serem adotados nesse reconhecimento: a contribuição de famílias ricas sempre terão dimensões diferentes, daquelas famílias mais carentes, financeiramente. Nossa abordagem vai concentrar sobre o papel dos pais na educação – independente do contexto financeiro.

Outro contexto a ser observado, é a situação do Brasil como um todo: ocupamos o 38º lugar, entre 40 países, segundo o The Learning Curv; ocupa o 63º lugar entre os 70 países avaliados pelo PISA – que avalia conhecimentos de matemática e português. E 70% dos estudantes de 15 anos não sabem o básico de matemática. Então, como os pais se posicionam a respeito?

Pais presentes?

O cotidiano moderno tomou o tempo das pessoas, distanciando-as dos locais de trabalho, tornando o tempo familiar escasso. Por conta disso, a presença dos pais na educação formal do aluno é mínima. Porém, essa presença é necessária, para que o aluno, criança ou adolescente, tenha um modelo de cobrança que não seja unicamente a escola. Esse mundo moderno induz o falso pensamento de que a escola é uma espécie de depósito, onde o aprendizado é de total responsabilidade dos professores e diretores. E não é bem assim. O aprendizado é uma construção social, e exige principalmente o acompanhamento dos pais na escola e fora dela, em casa.

Boletim

Um educador importante, o Mario Sergio Cortella, lembra com brilhantismo, que “educar é uma tarefa da família”. Isso soa confuso, mas é fácil de entender se olharmos para o desinteresse epidêmico em aprender, no século XXI: os pais tem se distanciado do aprendizado dos filhos, adotado as notas do boletim como único critério de avaliação. O desinteresse dos filhos pelo aprendizado, surge como uma continuação do desinteresse dos pais em cobrar esse aprendizado. A sede de construir uma nota é maior do que o de aprender. É responsabilidade dos pais proverem o interesse pelo aprendizado nos filhos, para isso criando um ambiente familiar saudável, e inserindo essas cobranças na relação com os filhos.

Nesse artigo, vamos falar sobre o papel dos pais na formação dos filhos, sobretudo, na educação escolar

pai ensinando sua filha

Como cobrar os filhos?

Essa é uma boa pergunta. Muitos imaginam que isso tenha a ver com repreensões verbais constantes, em tons de voz assustadores, e coisas assim. Gerar temor não é a forma mais eficaz de produzir o interesse na garotada de hoje. A melhor cobrança é O CONVÍVIO. Participe das tarefas escolares, converse sobre as aulas assistidas. Trate o tempo que ele passa fora de casa com plena importância. Eles precisam não apenas saber, mas sentir a valorização do que devem construir na escola – e em casa. Silencie a casa para os filhos estudarem, valorize o ambiente físico de estudo deles; são através de ações, e mais do que palavras, que o interesse pelo conhecimento é plenamente instigado e construído.

Comentários via Facebook

Comentários via Facebook

Autor: Blog Saúde Mais

As informações, dicas e sugestões contidas neste blog têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos e outros especialistas.

Compartilhe este artigo no

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *