Vença sua ansiedade

Desculpe o transtorno, mas precisamos falar sobre ansiedade

Já disseram que a ansiedade é o mal do século. É um assunto que vem sendo tratado ora como tabu, ora como assunto pop. Mas se quisermos falar sério sobre esse assunto, precisamos falar da ansiedade como ela é; e clinicamente falando, a ansiedade é caracterizada como um conjunto de manifestações (sintomas) psíquicos, sendo as vezes classificada como um transtorno. Significa que precisamos falar de ansiedade, como um assunto de saúde pública. E cada um precisa encarar a própria ansiedade.

 

ansiedade

Homem fotografia created by Asier_relampagoestudio – Freepik.com

Não é frescura

A sociedade moderna, cheia de pressa e urgências, tem gerado diferentes quadros de ansiedade. As pessoas são diferentes, e assim, ela se manifesta de diferentes modos. Ela é a causa de tiques nervosos, de bulimia, e principalmente de quadros depressivos. Toda essa construção social moderna, tende a impor nos indivíduos uma carga de expectativas exigentes; veja só: a criança cresce pressionada a tirar boas notas, quando cresce, ao ser aprovada num vestibular, e ao se formar, a garantir emprego, e quando empregado, a conquistar estabilidade… e não para. E dentro de cada processo, existe mais e mais cobranças externas e internas. E ninguém está ileso.

 

Ninguém.

Ricos ou pobres, famílias ou indivíduos solitários. A modelo que se preocupa com a aparência a cada instante, o agricultor que perde o sono pensando na seca, o vendedor ambulante que adquiriu gastrite por ansiedade prévia – de suas preocupações com as contas do mês.

 

Lidar é preciso

É possível vencer a própria ansiedade? Sim, em alguns casos. A partir do momento que se constata, é possível compreendê-la, e administrá-la. Todas as ansiedades são um sofrimento antecipado por situações futuras; e uma vez que você se conscientize disso, pode minimiza-la, gerindo suas emoções. Como se faz isso?

 

  • Se interrompa: sentir ansiedade provoca mais ansiedade. Ela neutraliza seus movimentos, seu poder de tomar decisões, entre outras coisas. Perceber que está ansioso, é o primeiro passo para tomar atitudes: se preciso, saia do lugar onde está, vá em outro ambiente, outra sala, e siga o próximo passo:
  • Planeje: pense, em ações racionais que façam você ter o controle direto da situação que teme viver. Se a ansiedade é por uma prova, planeje estudar, por exemplo. Sair do emocional para o racional, é um via que usa sua inteligência ao invés do seu medo.
  • Conviva: a ansiedade se nutre, na maioria das vezes, por complexos de inferioridade. E isso faz com que muitas pessoas sintam vergonha de compartilhar suas vulnerabilidades e sentimentos com outras pessoas; ciente disso, é importante que você passe a entender que o isolamento é um fator que gera ansiedade. Se você compartilhar suas preocupações com pessoas que o amem, que sejam capazes de pelo menos entender o que você vivencia, estará tirando uma venda que lhe sufocava em silêncio. Além disso, ouvir pessoas que entendam sua situação, poderá lhe proporcionar a oportunidade de enxergar todo o panorama “por fora da caixa”. Empatia, é como sair de si, usando os olhos e a alma dos outros.

Dados da ONU, de 2016, apontavam que o suicídio é a causa de uma morte a cada 40 segundos, no mundo. Os dados ainda situavam o Brasil na 8ª posição de ranking de suicídios. Esse é um dado preocupante, que revela um certo descuido e negligência por parte dos sistemas de saúde atuais. Essas pessoas, são vítimas de uma causa comum: a ansiedade. Não estamos fornecendo essas informações para amedronta-lo, mas apenas para que possa enxergar a seriedade da evolução dos quadros de ansiedade. Portanto, é tempo de se cuidar, e de cuidar de quem precisa. Se você se considera ansioso, acima dos padrões normais, não sinta vergonha em ser ajudado. E se você não é excessivamente ansioso, solidarize-se com seus amigos.

Comentários via Facebook

Comentários via Facebook

Autor: Blog Saúde Mais

As informações, dicas e sugestões contidas neste blog têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos e outros especialistas.

Compartilhe este artigo no

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *